terça-feira, 8 de maio de 2018

GLEICI COM PRAZO DE VALIDADE VENCIDA


Quem me conhece sabe que não gosto de ficar criticando participantes do BBB após o encerramento do programa. À partir daí, inicia-se uma fase complicada de busca de oportunidades e faturamento que podem privilegiar uns em detrimento de outros e, dependendo do tipo de assessoria, alguns menos favorecidos podem se beneficiar pela competência de quem passa a representá-los.

No entanto, há um componente de soberba e de favorecimento se agigantando no caso de Gleici. Protegida pela Globo, ela vem experimentando o sabor do protecionismo que colocou para escanteio o favorito Kaysar e deixou-o esmagado com sua história de sofrimento, inibindo até mesmo apresentadores que queriam apresentar o sírio isoladamente mas não puderam.
Gleici pode até ter uma história de lutas, mas nada que se aproxime da repercussão que Kaysar obtém com sua peregrinação pelo mundo e com sua busca para viabilizar resgatar os pais, enfiados no furacão de uma guerra sem fim na Síria.

Gleici está sendo “glamurizada" pela estrutura global, mas não convence, não agrega, não repercute. Sua muleta denominada Wagner, arranjada no limiar do BBB, autor de afirmações estapafúrdias dá um tom caricato a uma trajetória que poderia ter sido bem melhor encaminhada.

 O mesmo se pode dizer por sua eterna dependência por Ana Clara, apresentada como alguém excepcional no programa, mas incapaz de ganhar o prêmio ou superar Kaysar.
Gleici em poucos dias, pode-se dizer que já teve seu prazo de validade vencida. Não convence, não vai além daquilo que a própria Globo tenta fazer dela. Até Jéssica que inicialmente era detestada, hoje se apresenta como verdadeira Princesa e dispara no bem querer do público porque soube se posicionar e cresceu incrivelmente diante do público.

O BBB18 promoveu um resgate da fórmula e com a ascendência de Kaysar e o comportamento dos demais participantes, o interesse foi aumentando para o público. Infelizmente a Globo aplicou suas estratégias para conduzir resultados e usou e abusou disso para que na final pudesse apontar Gleici como ganhadora, desfigurando o que antes se apresentava como uma “vermelhinha do PT”, que hoje foi travestida como uma burguesa de ocasião.

O mais engraçado é que até aqui ninguém foi até ela buscar afirmações políticas de defesa a sua convicção política anterior ao prêmio. Será que o dinheiro muda os petistas a esse ponto? É claro que sim, porque Lula que é o Lula, hoje nem é sombra daquilo que dizia ser. Gleici podia ter sido mais bem encaminhada nesse pós-BBB, mas acabaram por atrelar a mocinha a Wagner, Ana Clara e está complicado saber que traço de personalidade ela terá depois disso tudo.


Já pelo lado de Kaysar, sua postura de representante dos refugiados no Brasil, sob os auspícios da ONU, vai se solidificando e sua maneira altiva de lidar com todas as situações vai se impondo. O Brasil espera que possa ver seus pais aqui chegando, livres do horror da guerra na Síria e fazendo a felicidade daquele que marcou o BBB18.

quinta-feira, 19 de abril de 2018

KAYSAR É O MAIOR BBB DE TODOS OS TEMPOS!


Eu vi tantas afirmações ao longo do BBB 18 tentando diminuir, menosprezar, enfraquecer a participação do sírio Kaysar no programa que me assusta ver em que tipo de sociedade vivemos. Argumentos próprios de pessoas sem sentimentos, sem respeito, sem berço, sem orientação religiosa, educacional e vai por aí afora, que acabo concluindo que fiz bem ao me afastar do blog, do programa, enfim disso tudo. 

Um sopro de esperança me trouxe de volta, pensando que a participação desse cara alegre, expansivo, sem maldades no coração, capaz até de receber as mais ríspidas agressões e ainda manter sua maneira de ser, transformaria o BBB num jogo mais humano, desprovido de tanta maldade, inveja e afins. Errei, porque foi aí que vi nos participantes a maledicência se afirmar, principalmente por parte de todos os finalistas. 

Era asqueroso assistir Ana Clara, Ayrton e Gleici menosprezando o sírio Kaysar, tentando diminui-lo, procurando atrapalhar suas performances. O mesmo com Paula argumentando que é “brasileira raíz”, como se sua condição a transformasse em alguém maior e melhor que Kaysar. 

Foi doentio o jogo de alguns que tudo fizeram para pegar Kaysar no contra-pé, como Ayrton tentou o tempo inteiro. Recebeu dele as mais diversas demonstrações de respeito e amizade e até de salvamento, mas ainda assim continuou em sua trajetória que buscava “enterrar” o sírio. 

Poderia ficar aqui o resto do ano citando o rosário de afirmações maldosas, atitudes descabidas, dentro e fora do programa, mas é suficiente ver que ainda há quem entenda que o amor pela família é maior que tudo e que Kaysar encontrará o caminho para trazer seus pais ao Brasil.

Me entristece ver que a política chegou ao BBB através da acreana Gleici, com sua sanha petista bem clara, capaz de fazer a rede globo mudar a programação em seu estado para beneficiá-la e aproximar-se da esquerda que tanto a esculacha. 

É também horrível ver que a família Lima, capaz de vociferar contra tudo e todos foi tão beneficiada no jogo, até com suspeitas de favorecimento pela produção e sair como finalista, quando em qualquer outra edição, junto com Gleici não teriam chegado a terceira semana de programa.


Portanto BBB é uma piada mesmo. E assim continuará. Escrevo antes do final, porém é bem previsível o que acontecerá. Mas ainda assim, independente de colocação, ficam as lições desse menino que mantém sua alegria em qualquer circunstância e que moralmente é o verdadeiro e legítimo campeão porque até a presente data foi o maior BBB de todos que já passaram no programa!

terça-feira, 17 de abril de 2018

KAYSAR:UMA HISTÓRIA DE LUTA!


Voltei ao Teleblog para saudar o maior BBB que já passou pelo programa: falo de Kaysar! Realmente, nesta edição as coisas ficaram claras, independente da manipulação que sempre houve. Falo de comportamento, de história de vida, de humildade, sensatez e honradez. Um cara que jogou sim, porém nunca atacou ninguém, sempre tendo uma palavra amiga e de estímulo para seus opositores. Isso jamais aconteceu no BBB.

Kaysar encarnou o verdadeiro espírito do "Grande Irmão". O BBB jamais será o mesmo depois de sua passagem pelo programa. Sua lição certamente está servindo para mostrar até ao Boninho que é preciso ter mais consideração por participantes que tenham comportamento retilíneo. Não adianta a manipulação que sempre foi feita com um Kaysar destruindo tudo lá dentro, botando abaixo os conceitos de que o programa foi feito para lidar com pessoas que vão tentar burlar tudo.

O BBB ainda não terminou, porém a história de luta desse sírio-brasileiro é uma marca que não sairá jamais. Até então, achei que Dhomini encarnava o melhor BBB, porém o tempo passou, tudo evoluiu e aparece Kaysar, depois até mesmo que eu deixei o blog parado, para mostrar que é possível mudar conceitos, que em meio a tanta violência é possível ter doçura e simplicidade e que um sorriso pode mudar tudo, dando esperança que ainda haja salvação para tanta maldade.

As lições deixadas até agora por este participante, pregam uma peça bem pregada em todos. Em quem conduz o BBB, em quem participa, em quem assiste. Um cara que veio ao Brasil fugindo da guerra em sua pátria, sendo amparado aqui por parentes distantes, adota nosso país como sua pátria e participa do BBB para dar lições a quem tem o mal entranhado no coração. Uma peça sem igual!

Lógico que gostaria de ver Kaysar campeão e que ele pudesse trazer sua família em definitivo para o Brasil, retirando seu pai e sua mãe de um país onde morrer e viver se confundem num fio tenue que pode definir tragédias. E pior que isso é ouvir alguns participantes tentando usar isso como pano de fundo para embalar seus conceitos malévolos.

Enfatizo daqui, acima de tudo a pureza de sentimentos do sírio Kaysar, sua obsessão pela família, seu orgulho de ter sido acolhido pelo Brasil, sua trajetória de objetivos concretos. Ouvido gritar "MÃE!!!!!" é uma agonia que aperta o coração, que enche nossa alma de esperanças e que mostra que  o mundo ainda pode ser diferente.

Portanto, vai Kaysar, em direção ao infinito, na busca de seus ideais. Siga determinado porque os que tem boa vontade estarão apoiando-o. Você não está só! E que tudo isso possa servir um pouco como lição para quem já perdeu as esperanças!

terça-feira, 29 de março de 2016

INCONVENIENTES PERDEDORES


O atual BBB indica uma situação jamais vista: qualquer um que ganhar, ainda assim não deixará de estar revestido da condição de perdedor porque não tem a característica de vestir o manto do BBB e nele se encontrar, se revelar. Isso apenas mostra a que ponto chegou o programa e os erros grosseiros praticados por quem comanda tudo isso, permitindo e fazendo com que os resultados excluíssem aqueles que poderiam e deveriam ser finalistas.

Aos admiradores de Dona Geralda fica apenas uma constatação fácil e que não é preciso ir longe para ver que a senhora deveria estar mais encaixada num reality da Rede TV ou de uma emissora de pouca audiência. Não tem espírito de BBB, não se encaixa em nada e gosta de tirar onda e reprimir aqueles com quem não se dá bem. Está precisando levar um passa fora faz tempo. A velha foi taxada por muitos como autêntica, mas de acordo com sua conveniência. Em qualquer BBB teria sido posta para fora pelo público.

Não quero fazer análises individuais pois assistí pouco e do que ví deixou claro que só mesmo a Cacau se livra em qualquer análise isenta. Os demais são o exemplo claro do que não se deve ser num BBB. Porém na mesma classificação estão os condutores do programa, o que equivale dizer que só fazem afundar cada vez mais algo que já foi um ícone na programação da TV brasileira.

O atual BBB para mim é o repositório de tudo que já venho falando faz muito tempo. Estragaram tudo com as manipulações desavergonhadas na busca alucinada por audiência. Foram inúmeras as oportunidades em que eu e outros blogueiros da antiga denunciamos que a falta de um  meio para se averiguar a lisura das votações, trazia o descrédito pelo inusitado de resultados que eram flagrantemente contrários ao que o público manifestava. Os quatro finalistas atuais são o exemplo claro do que jamais deveria acontecer num BBB. Parece até piada!

O BBB parece seguir no mesmo patamar do governo atual, que se mantém ao arrepio do que deseja a população brasileira. Esta analogia pode parecer fora de propósito mas não é.

Ronan e Geralda parecem ditadores dentro do BBB. Pensam encarnar com suas atitudes a vontade do povo e nunca foi isso que o público que assiste BBB quis. Os dois estariam bem mais compostos ao participar de qualquer atração da TV que não passasse de 1 ponto de audiência no IBOPE, mas são apresentados com garbo como arautos da verdade absoluta que predomina entre os condutores da atração.

BBB piada, BBB falido, BBB da Geralda e Ronan joga em tantos outros participantes que se consagraram no programa a infinita mágoa de serem rotulados em pé de igualdade com quem não tem representatividade para estar na fase final, porque não apresentaram ao longo do programa as condições naturais e normais para isso.

São inconvenientes porque são chatos, convencidos e mesmo ganhando não se livrarão do estigma dos perdedores, Vão sumir imediatamente, porque a fama que podem alcançar não passará de 1 minuto!

sábado, 5 de março de 2016

ANA SAI E GLOBO SOFRE


Eu juro que não queria mais comentar BBB. No entanto, esse episódio que culminou com a saída da participante Ana Paula apenas prova que é preciso colocar limites nas pessoas. Mas o que é mais importante é que isso aconteça na criação, nunca deixando que comportamentos exacerbados atinjam a idade adulta por puro protecionismo ou “amor demais” por parte dos pais.

Aliás “amor demais” é um tema digno de estudos e que deveria ser alvo de tratados porque não só no BBB podemos constatar inúmeras pessoas que tiveram esse tratamento. Isso se generaliza em todos os setores da vida, onde encontramos pessoas que se acham maiorais, poderosas, sem limites, mas que acabam se prejudicando por esse comportamento que é fruto de uma liberdade exacerbada.

Do pouco que assistí na TV aberta, até porque pela primeira vez não comprei o PPV, pude entender que Ana era a alavanca da KGB para a audiência. Era ela que movia o programa com suas posições bem parecidas com a Tina, batedora de panelas de um BBB que ficou no passado e cuja passagem ficou marcada.

Não interessava que Ana saísse porque o BBB girava em torno dela. Sua capacidade de movimentar a todos era peculiar. Tudo girou em torno dela e agora o desfalque joga o programa no limbo. E o mais engraçado é que ela mesma já havia demonstrado sua inaptidão e sua vontade de se retirar, mas foi “convencida" a permanecer porque ninguém joga fora em TV o que puxa audiência.

Cai o BBB agora na mesmice de sempre, deixando aos cuidados de Ronan a possibilidade de alguma movimentação, até porque vão se voltar contra ele seguramente, para eliminar aquilo que resta do jogo que Ana criou e levou até as últimas consequências, do qual ele foi aliado e estimulador.

Ficou evidente para mim que a manipulação de resultados ainda é um dado bastante claro, até porque o último paredão deixava clara a saída de Ana, mas ninguém ia deixar barato a saída da mola que fazia a propulsão do programa.

Assistir BBB agora, só mesmo nesses lampejos porque nada mudou e até piorou em termos de intervencionismo da direção e produção. A KGB não tem emenda, não se preocupa com nada além do que pode fazer as pessoas assistirem ao espetáculo que montam e embalam.


Sai a Ana e com ela (Olha ela!…) vão as esperanças da Globo em ver o BBB ressuscitado. Vão ter que se desdobrar para criar situações que motivem o público a participar, votar e discutir, enquanto aqui fora ela vai ser alvo da mídia para embalar seu ego. Só que aqui fora é bem diferente e o bicho pega!

domingo, 17 de janeiro de 2016

E A LOUCURA VAI COMEÇAR NOVAMENTE


Isso mesmo, loucura, porque depois do que vimos nas últimas edições pouco sobrou do espírito que norteou o início do que chamamos de BBB. Mudou tudo, inclusive no que diz respeito a performance dos participantes. Hoje o que assistimos é um festival de perseguições, de desapreço total ao ser humano e uma busca que não diz respeito ao prêmio final.

Ganhar o BBB já não parece ser o objetivo de quem consegue chegar ao programa. As pessoas querem apenas aqueles 10 minutos de fama e com isso parecem ficar satisfeitas. Não existe estratégia, não há conhecimento nenhum das regras e muitos chegam ali sem jamais terem assistido a qualquer edição do programa.

Confesso que perdí muito do entusiasmo que tinha. Não me considero mais alguém que acompanhe o programa com a atenção de antes porque tanto a direção e produção, como os próprios escolhidos também parecem levar o programa na flauta, sem maiores compromissos com o que vai ao ar.
No entanto, mais uma vez torço para que o espírito inicial seja resgatado. Gostaria que houvessem mudanças capazes de resgatar o público, a audiência que já foi a maior da TV.

Pois aí está o BBB16 e a loucura já está no ar. Vamos ver o que vai acontecer. Tomara que decole!

quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

PERDENDO A MÃO NO BBB


A novela BBB continua em franco progresso e vai revelando as facetas que a direção espera todos os dias, sempre girando em torno da movimentação de casais, da fraqueza de seres humanos apresentados inicialmente como muito bem dotados de intelecto e que em pouquíssimo tempo vão se revelando mais frágeis que crianças. O jogo BBB ficou para trás faz muito tempo. Hoje há uma salada mal preparada em que se adicionam ingredientes intragáveis.

Foi-se o tempo de grupos, de divisões e assistimos a rede de intrigas sendo formada com infantilidade, porém sendo levada extremamente a sério. O engraçado é que ninguém se julga pretendente efetivo a ganhar o prêmio final. Isso hoje em dia parece ir meio no balanço da maré. É como se cada um alí estivesse dizendo para sí mesmo “se vier tudo bem, do contrário foda-se!”.

Ciúme de uma semana, traição de uma semana, entregação de uma semana, sacanagem de uma semana e parece que já estamos na fase final. A cultura de BBB se difundiu com valores altamente discutíveis e lá dentro o que se assiste é um festival engajamento a conceitos que são incutidos na mente dos participantes com poucas instruções que passam na direção e produção.

Infelizmente não há quem esteja disposto a discutir normas, orientações porque o conceito da novela é o que vale e assim cria-se o estímulo prévio a formação de casais, ao sexo encoberto por edredons, como se o público aqui fora não tivesse direito a querer assistir a um jogo como já aconteceu anteriormente.

Não estou daqui me posicionando contrariamente ao comportamento libertário de ninguém, porém o caminho, o trajeto do BBB poderia sim passar por tudo isso, mas privilegiar conceitos que o público aplaudiu no passado e que hoje não recebem nenhum estímulo. Isso contribui para deteriorar, provocando a queda de audiência e o desinteresse porque estão apostando mais uma vez em horizontes sombrios.

Uma mulher chorosa, um casal fazendo sexo escondido, outro querendo fazer e tomando coragem, um intelectual de voz surreal e que não se acha no enredo, uma semi-idosa influenciável e perdida, um motoboy convencido e um ex-militar que serviu a uma força e nada aprendeu, além de outros marionetes, são o rescaldo duvidoso dessa salada que ninguém está digerindo.

Pior ainda é saber que os que lá estão a esta altura, imaginam-se como figuras já abençoadas pela fama e que vão sair em algum momento para gozar das delícias de uma nova vida repleta de benefícios, que jamais pensaram alcançar.

Poderão me chamar de pessimista e agente do caos do BBB. Confesso que o que tenho visto me surpreende pela precariedade e falta de objetividade no que devia ser principal: buscar o prêmio. A busca atual parece ser por desavenças para ver quem é mais forte para enfrentá-las. O próprio discurso do Bial ontem estimulou isso quando taxou opositores como inimigos. Me convenço que todos perderam a mão e fico esperando que todos possam se reencontrar. Caso contrário, estará decretado o fim do BBB.